10 dicas para começar um blog em 2016

Atualmente, graças às novas tecnologias e ao desenvolvimento das mesmas, a blogosfera é mais completa do que era nos primórdios da sua existência, dando origem ao “boom” blogosférico. Desde então que emergiram inúmeros espaços digitais dedicados a um pouco de tudo – desde diários pessoais a blogs de decoração, passando pela culinária e pela moda – e ao alcance de qualquer mortal.

Após uns belos anos e muitas pesquisas depois, as funcionalidades foram aumentando e o que parecia um simples magazine digital tinha, afinal, potencial para se tornar num negócio rentável – em muitos casos na ordem dos milhões! Chegados a este ponto, eis que temos o estado atual dos blogs a nível mundial – passaram de um simples blog a um negócio e a marcas registadas, tudo porque se decidiu tomar a iniciativa de abrir um espaço digital, que é bem mais simples do que parece.

Embora existam muitos blogs, há sempre espaço para mais um “vizinho”, e é muito simples fazê-lo, basta apenas ter algumas considerações em mente. Com esse propósito, trago hoje um post com 10 dicas para começar um blog, aproveitando a onda dos objetivos para um novo ano.

  1. Escolher o nome

Considero que, em qualquer blog, o ponto problemático é o factor criativo, sobretudo quando se fala em escolher um nome. Para o escolher, basta seguir alguns passos:

  • Deve ser escolhido em função do tema a abordar
  • Fazer uma pesquisa antes para se certificar que já não está a ser usado (assim evitam-se confusões entre dois nomes iguais)
  • O nome deve ser atraente, fácil de memorizar e de escrever
  • Pedir a opinião de amigos e familiares é uma mais-valia
  • Usar o Google Keyword Tool para encontrar mais algumas inspirações

 

  1. Escolher a plataforma de hospedagem

Aqui as opiniões podem divergir, dependendo do que se pretende. Se a intenção é criar um website com a programação profissional a cargo de quem vai iniciar na blogosfera, embora acarrete muitos custos, talvez uma plataforma de hospedagem gratuita não seja o ideal. Já para quem quiser iniciar o seu percurso escrevendo de forma gratuita para a comunidade, existem várias plataformas tais como o Blogger e o Blogs SAPO, mas existem outras mais. O ideal é, como digo, ver outros blogs hospedados nestas plataformas, ver artigos de ajuda e explorar ao máximo cada uma delas para depois escolher a que oferecer melhores funcionalidades.

Algumas dicas para escolher a hospedagem aqui.

  1. Design

Após a escolha da plataforma e de criar o link do blog, há que ter em conta o design de um blog. Não é preciso investir nem fazer algo muito elaborado (a não ser que se tenha capacidades e conhecimentos para isso), contudo, há que ter em mente que o espaço tem de estar minimamente organizado e perceptível a quem entra, tudo para facilitar a navegação pelo blog. Se não tem capacidades e hipóteses para algo elaborado, lembre-se que, às vezes, “menos é mais”.

  1. Email

A não ser que haja um à vontade para usar o pessoal, criar um endereço eletrónico para fins destinados ao blog é muito importante para estabelecer contactos com outros bloggers, leitores ou até mesmo com futuros parceiros. Uma vez mais, e dependendo das finalidades, existem quer fornecedores gratuitos, quer fornecedores pagos, destinados para esta funcionalidade. Óbvio que é necessário estar presente o nome do blog no endereço eletrónico (ex: [email protected]).

Algumas dicas para criar um email exclusivo aqui.

  1. Redes sociais

Já se sabe que as redes sociais vieram para revolucionar o quotidiano da população mundial, acarretando prós e contras. Um dos prós é o uso com finalidades comerciais, isto é, para a promoção e divulgação de produtos e serviços. Hoje em dia é preciso estar conectado às redes sociais para expandir um blog e levá-lo a mais pessoas. As redes sociais básicas são o Facebook, o Twitter, o Instagram e o Bloglovin’, contudo, existem outras mais que, a pouco e pouco, podem e devem ser exploradas.

  1. Atualização frequente

Após a parte técnica estar concluída, é preciso fornecer calor para o bolo crescer, isto é, atualizar para captar e cativar o público. Dependendo dos temas abordados, da disponibilidade e da força de vontade de cada um, atualizar o blog todos os dias ou dia sim, dia não, torna-se crucial não só para captar novo público como também para cativar o já existente. Sejamos sinceras: quem é que gosta de ir a um blog “fantasma”? Ninguém, pois claro!

  1. Ortografia impecável

Um dos aspetos importantes é a ortografia. Entender e fazer entender são dois aspetos necessários para o quotidiano de qualquer mortal, e isso não é exceção na blogosfera. Existem inúmeras ferramentas e aplicações que permitem verificar a ortografia, incluindo o Microsoft Office Word. Além de exibir um bom texto para os leitores compreenderem, isto ajuda nos rankings dos motores de busca.

  1. Divulgar

Não há melhor maneira de expor o trabalho do que divulgá-lo – mas sem fazer spam! A solução passa por procurar blogs que tenham uma lista de links, comentar ativamente outros blogs, divulgar em grupos destinados para o efeito no Facebook, comentar outros perfis nas redes sociais com a página do blog, entre outros. Os efeitos podem não ser imediatos, mas a longo prazo irão tomar grandes proporções e, acima de tudo, irá dar a conhecer o seu trabalho a outros bloggers.

  1. Conteúdo original

O conteúdo de qualquer blog ou site deve sempre ser original, e quando se recorrem a outras fontes, deve-se sempre citá-las. Desde fotografias a textos, construir tudo de raiz pode ser complicado, mas é isso que permite distinguir os diferentes projetos da blogosfera.

  1. Persistência

Por último mas não menos importante, persistir é a palavra-chave para qualquer coisa, sobretudo para iniciar um blog. Os primeiros tempos são bastante complicados e construir um público não é fácil. Para se conseguir colher os frutos a longo prazo, há que semear e ir alimentando tudo. Pelo meio, há que ter paciência, persistência e muitas ideias novas para manter a “chama acesa”. Quando menos se espera, o trabalho é recompensado.

Joana Freitas

De alma portuguesa e de sotaque portuense, ainda que pouco acentuado. Adoro a minha cidade, o Porto, e a minha pátria, Portugal, ainda que não esteja de acordo com algumas ideias pré-definidas da mesma.Descobri a minha paixão por moda de um modo um pouco acidental, caso que remonta a 18 de abril de 2009, quando abri o meu blog, o Moda & Style. Desde então, tenho vindo a aprimorar esse mesmo gosto e a descobrir outros tantos relacionados com esta área e, agora, partilho convosco o meu trabalho aqui, no SimplesModa.